Karl Jaspers

a { text-decoration: none; color:black; } body { tab-interval:.5in; background-color:#ffffff; margin-left:.25in; margin-right:.25in; } div.title { font-size:24pt; font-family:”MS Reference Serif”; } p { font-size:9pt; font-family:”MS Reference Sans Serif”; line-height:15pt; color: #000000; } .list { position:relative; left:8px; } .sidebar { font-size:9pt; font-family:”MS Reference Sans Serif”; } .sb_intro { font-size:9pt; font-family:”MS Reference Sans Serif”; } .sb_headline { font-size:12pt; font-family:”MS Reference Serif”; } .sb_author { font-size:8pt; font-family:”MS Reference Sans Serif”; } .archive { font-size:9pt; font-family:”MS Reference Sans Serif”; } .arc_disclaimer { font-size:9pt; font-family:”MS Reference Sans Serif”; } .arc_section_hdr { font-size:12pt; font-family:”MS Reference Sans Serif”; } span.quote { position:relative; left:8px; } div.date { font-family:”MS Reference Sans Serif”; font-size:8pt; letter-spacing:2pt; text-transform:uppercase; padding-bottom:2px; } table.formula { font-size:11pt; font-family:”MS Reference Sans Serif”; } div.rule { font-size:1px; height:1px; border=0px solid; border-top-width:1px; padding-bottom:10px; } table.section_hdr { clear:both; font-family:”MS Reference Sans Serif”; } td.section_prefix { font-size:18pt; color:#999999; } td.section_title { font-size:12pt; color:#000000; padding-bottom:3px; } div.hdr_rule { position:relative; top:-2px; font-size:1px; height:1px; border=0px solid #DCDFE3; border-top-width:1px; padding-bottom:4px; } div.mediaTitle { width:67%; padding-top:5px; font-size:8pt; font-weight:bold; font-family:”MS Reference Sans Serif”; color:#30476D; } .mediaCaption { width:67%; font-size:8pt; font-family:”MS Reference Sans Serif”; color:#30476D; line-height:15px; padding-top:5px; padding-bottom:5px; } .mediaCreditUnderMedia { position:relative; top:-3px; left:0px; font-size:8pt; font-family:”MS Reference Sans Serif”; color:#8E8E8E; line-height:15px; padding-left:3px; padding-right:3px; } div.tableTitle { font-family:”MS Reference Sans Serif”; font-size:8pt; font-weight:bold; color:#E3E3E3; margin-bottom:12px; } div.tableSource { font-family:”MS Reference Sans Serif”; font-size:8pt; color:#AAAAAA; margin-top:12px; } div.tableIntro { font-family:”MS Reference Sans Serif”; font-size:8pt; color:#E3E3E3; margin-bottom:12px; } table.table { font-family:”Tahoma”; font-size:8pt; table-layout:fixed; border-collapse:collapse; border:1px solid #566C90; background-color:white; } col.tableCol { padding-left:8px; padding-right:8px; } col.tableColLast { padding-left:8px; padding-right:24px; } span.tableBody { height:expression((document.body.clientHeight – offsetTop) – 10); overflow-y:auto; } tr.tableRow { color:#585858; vertical-align:top; } tr.tableColumnHeader { color:DCDFE3; background-color:#566C90; padding-top:8px; vertical-align:bottom; } tr.tableDivider { font-weight:bold; color:#30476D; background-color:#e0e0e4; vertical-align:bottom; padding-top:12px; } td.tableCell { padding-bottom:4px; border-bottom:1px solid #e0e0e4; } td.tableEmpty { border-bottom:0px; } td.tableFootnote { font-size:7pt; font-weight:normal; color:#9E160A; padding-left:30px; padding-right:24px; padding-top:4px; padding-bottom:4px; } span.tableFootnote { position:relative; top:-3px; font-size:7pt; font-weight:normal; cursor:hand; color:#9E160A; } div.qfTitle { font-family:’MS Reference Serif'; font-size:20pt; color:#E3E3E3; margin-left:232px; margin-bottom:4px; } div.qfIntro { font-family:’MS Reference Sans Serif'; font-size:10pt; font-style:italic; color:#E3E3E3; margin-left:232px; margin-bottom:18px; } table.qfTable { table-layout:fixed; border-collapse:collapse; margin-left:20px; font-family:’MS Reference Sans Serif'; font-size:10pt; color:#E3E3E3; } col.qfColName { width:114px; } col.qfColValue { width:405px; padding-left:18px; } tr.qfEntry { padding-top:8px; } td.qfEntryName { font-weight:bold; } .qfEntryValue { font-weight:normal; } table.fafTable { border-collapse:collapse; font-family:’MS Reference Sans Serif'; font-size:11px; } tr.sectionTitle { height:38px; font-size:18px; color:#2B5355; text-transform:uppercase; } .entry { height:19px; } td.entryName { font-weight:bold; color:#323232; } .subEntryName { color:#585858; } .subSubEntryName { color:#585858; padding-left:20px; } .entryValue { color:#585858; } .rule { height:1px; border-top:1px solid #DCDFE3; } div.frtitle { font-size:10pt; font-family:”MS Reference Sans Serif”; margin-bottom:11px; } div.bib { font-size:8pt; font-family:”MS Reference Sans Serif”; color:#535E33; background-color:#DFE1D9; } div.bib_entry { padding-bottom:10px; } div.copyright { font-size:9pt; font-family:”MS Reference Sans Serif”; }

Jaspers, Karl (1883-1969), filósofo alemão, um dos fundadores do existencialismo, cuja obra, que compreende 30 livros, influenciou a teologia e a psiquiatria modernas, bem como a filosofia. Nascido em Oldenburg em 23 de fevereiro de 1883, Jaspers estudou direito e medicina, e doutorou-se na Universidade de Heidelberg. Lecionou Psiquiatria na Universidade de Heidelberg a partir de 1916. Voltou-se para o campo da filosofia e ocupou a cadeira de Filosofia até 1937. Durante a maior parte do tempo em que o Partido Nazista esteva no poder, Jaspers, cuja esposa era judia, se recusou a fazer qualquer concessão para as autoridades nazistas e foi impedido de lecionar. Em 1948, aceitou uma cátedra de Filosofia em Basiléia, no norte da Suíça.

Em sua principal obra, General Psychopathology (1913, Psicopatologia geral), Jaspers criticou as pretensões científicas da psicoterapia como enganosas e deterministas. Em seguida, publicou Psychologie der Weltanschauungen (1919, Psicologia das concepções do mundo), um trabalho particularmente importante por catalogar as várias possíveis atitudes diante da vida.

O seu principal trabalho em três volumes, Filosofia (1932, Filosofia), dá uma visão da história da filosofia e aborda seus principais temas. Ele identificou a filosofia com o pensamento filosófico em si mesmo, não com qualquer conjunto de conclusões particulares. Sua filosofia é um esforço para explorar e descrever as margens e os limites da experiência. Empregou o termo das Umgreifende (“o abarcamento”) para referir-se aos limites últimos da existência, o horizonte indefinido no qual toda experiência subjetiva e objetiva é possível, mas que nunca pode ser racionalmente apreendida. Outro importante trabalho é Existenzphilosophie (1938; Filosofia da existência). O termo existência se refere à experiência indefinível da liberdade e a possibilidade que constitui a verdadeira existência dos indivíduos, que se tornam conscientes do abarcamento ao se confrontarem com situações limites como o azar, o sofrimento, o conflito, a culpa e a morte. Ele também escreveu, com freqüência, sobre a ameaça que a ciência e as instituições políticas e econômicas modernas suscitam para a liberdade humana. Entre seus escritos políticos, encontra-se The Question of German Guilt (1946; A questão da culpa alemã).

Jaspers morreu em Basel em 20 de fevereiro de 1969. Sua correspondência (1926-1969), com a filósofa alemã, naturalizada americana, Hannah Arendt, foi publicada em inglês em 1992.

Epistemologia

a { text-decoration: none; color:black; } body { tab-interval:.5in; background-color:#ffffff; margin-left:.25in; margin-right:.25in; } div.title { font-size:24pt; font-family:”MS Reference Serif”; } p { font-size:9pt; font-family:”MS Reference Sans Serif”; line-height:15pt; color: #000000; } .list { position:relative; left:8px; } .sidebar { font-size:9pt; font-family:”MS Reference Sans Serif”; } .sb_intro { font-size:9pt; font-family:”MS Reference Sans Serif”; } .sb_headline { font-size:12pt; font-family:”MS Reference Serif”; } .sb_author { font-size:8pt; font-family:”MS Reference Sans Serif”; } .archive { font-size:9pt; font-family:”MS Reference Sans Serif”; } .arc_disclaimer { font-size:9pt; font-family:”MS Reference Sans Serif”; } .arc_section_hdr { font-size:12pt; font-family:”MS Reference Sans Serif”; } span.quote { position:relative; left:8px; } div.date { font-family:”MS Reference Sans Serif”; font-size:8pt; letter-spacing:2pt; text-transform:uppercase; padding-bottom:2px; } table.formula { font-size:11pt; font-family:”MS Reference Sans Serif”; } div.rule { font-size:1px; height:1px; border=0px solid; border-top-width:1px; padding-bottom:10px; } table.section_hdr { clear:both; font-family:”MS Reference Sans Serif”; } td.section_prefix { font-size:18pt; color:#999999; } td.section_title { font-size:12pt; color:#000000; padding-bottom:3px; } div.hdr_rule { position:relative; top:-2px; font-size:1px; height:1px; border=0px solid #DCDFE3; border-top-width:1px; padding-bottom:4px; } div.mediaTitle { width:67%; padding-top:5px; font-size:8pt; font-weight:bold; font-family:”MS Reference Sans Serif”; color:#30476D; } .mediaCaption { width:67%; font-size:8pt; font-family:”MS Reference Sans Serif”; color:#30476D; line-height:15px; padding-top:5px; padding-bottom:5px; } .mediaCreditUnderMedia { position:relative; top:-3px; left:0px; font-size:8pt; font-family:”MS Reference Sans Serif”; color:#8E8E8E; line-height:15px; padding-left:3px; padding-right:3px; } div.tableTitle { font-family:”MS Reference Sans Serif”; font-size:8pt; font-weight:bold; color:#E3E3E3; margin-bottom:12px; } div.tableSource { font-family:”MS Reference Sans Serif”; font-size:8pt; color:#AAAAAA; margin-top:12px; } div.tableIntro { font-family:”MS Reference Sans Serif”; font-size:8pt; color:#E3E3E3; margin-bottom:12px; } table.table { font-family:”Tahoma”; font-size:8pt; table-layout:fixed; border-collapse:collapse; border:1px solid #566C90; background-color:white; } col.tableCol { padding-left:8px; padding-right:8px; } col.tableColLast { padding-left:8px; padding-right:24px; } span.tableBody { height:expression((document.body.clientHeight – offsetTop) – 10); overflow-y:auto; } tr.tableRow { color:#585858; vertical-align:top; } tr.tableColumnHeader { color:DCDFE3; background-color:#566C90; padding-top:8px; vertical-align:bottom; } tr.tableDivider { font-weight:bold; color:#30476D; background-color:#e0e0e4; vertical-align:bottom; padding-top:12px; } td.tableCell { padding-bottom:4px; border-bottom:1px solid #e0e0e4; } td.tableEmpty { border-bottom:0px; } td.tableFootnote { font-size:7pt; font-weight:normal; color:#9E160A; padding-left:30px; padding-right:24px; padding-top:4px; padding-bottom:4px; } span.tableFootnote { position:relative; top:-3px; font-size:7pt; font-weight:normal; cursor:hand; color:#9E160A; } div.qfTitle { font-family:’MS Reference Serif'; font-size:20pt; color:#E3E3E3; margin-left:232px; margin-bottom:4px; } div.qfIntro { font-family:’MS Reference Sans Serif'; font-size:10pt; font-style:italic; color:#E3E3E3; margin-left:232px; margin-bottom:18px; } table.qfTable { table-layout:fixed; border-collapse:collapse; margin-left:20px; font-family:’MS Reference Sans Serif'; font-size:10pt; color:#E3E3E3; } col.qfColName { width:114px; } col.qfColValue { width:405px; padding-left:18px; } tr.qfEntry { padding-top:8px; } td.qfEntryName { font-weight:bold; } .qfEntryValue { font-weight:normal; } table.fafTable { border-collapse:collapse; font-family:’MS Reference Sans Serif'; font-size:11px; } tr.sectionTitle { height:38px; font-size:18px; color:#2B5355; text-transform:uppercase; } .entry { height:19px; } td.entryName { font-weight:bold; color:#323232; } .subEntryName { color:#585858; } .subSubEntryName { color:#585858; padding-left:20px; } .entryValue { color:#585858; } .rule { height:1px; border-top:1px solid #DCDFE3; } div.frtitle { font-size:10pt; font-family:”MS Reference Sans Serif”; margin-bottom:11px; } div.bib { font-size:8pt; font-family:”MS Reference Sans Serif”; color:#535E33; background-color:#DFE1D9; } div.bib_entry { padding-bottom:10px; } div.copyright { font-size:9pt; font-family:”MS Reference Sans Serif”; }

Epistemologia é o ramo da filosofia que trata dos problemas que envolvem a teoria do conhecimento. Ocupa-se da definição do saber e dos conceitos correlatos, das fontes, dos critérios, dos tipos de conhecimento possível e do grau de exatidão de cada um, bem como da relação real entre aquele que conhece e o objeto conhecido.

No século V a.C., os sofistas gregos questionaram a possibilidade de haver um conhecimento objetivo e confiável. Por outro lado, Platão defendeu a existência de um mundo de formas ou idéias, invariáveis e invisíveis, sobre as quais seria possível adquirir um conhecimento exato e verdadeiro mediante o raciocínio abstrato das matemáticas e da filosofia. Na mesma linha, Aristóteles afirmava que quase todo conhecimento deriva da experiência, da observação cuidadosa e da estrita adesão às regras da lógica.

Do século XVII ao fim do século XIX, a questão central da epistemologia foi o contraste entre razão e o sentido da percepção como meio para a aquisição do conhecimento. Para os racionalistas, a fonte principal e prova final do conhecimento era o raciocínio dedutivo, baseado em princípios evidentes ou axiomas. Para os empiristas, porém, era a percepção. No início do século XX, os autores fenomenológicos afirmaram que os objetos de conhecimento são os mesmos que os objetos percebidos. Os neo-realistas, por sua vez, sustentaram que temos percepções diretas dos objetos físicos, ou partes dos objetos físicos, em vez dos estados mentais pessoais de cada um. Os realistas críticos adotaram uma posição intermediária, mantendo que, embora se percebam apenas dados sensoriais, como as cores e os sons, estes representam objetos físicos, sobre os quais trazem conhecimento.

Em meados do século XX, surgiram duas escolas de pensamento, ambas com débito para com o filósofo austríaco Ludwig Wittgenstein. Uma delas, a escola do empirismo ou positivismo lógico, afirma que só existe um tipo de conhecimento: o científico. A última destas escolas de pensamento mais recentes, englobadas no campo da análise lingüística (ver Filosofia analítica), parece romper com a epistemologia tradicional, centrando-se no estudo do modo real pelo qual se utilizam os termos chave da epistemologia — como conhecimento, percepção e probabilidade — visando a formular regras definitivas para seu uso e, assim, evitar confusões verbais.

Racionalismo

Doutrina que afirma que tudo que existe tem uma causa inteligível, mesmo que não possa ser demonstrada de fato, como a origem do Universo. Privilegia a razão em detrimento
da experiência do mundo sensível como via de acesso ao conhecimento. Considera a dedução como o método superior de investigação filosófica. René Descartes (1596-1650),
Spinoza (1632-1677) e Leibniz (1646-1716) introduzem o racionalismo na filosofia moderna. Friedrich Hegel (1770-1831), por sua vez, identifica o racional ao real, supondo a total
inteligibilidade deste último. O racionalismo é baseado nos princípios da busca da certeza e da demonstração, sustentados por um conhecimento a priori, ou seja,
conhecimentos que não vêm da experiência e são elaborados somente pela razão.

Na passagem do século XVIII para o XIX, Immanuel Kant (1724-1804) revê essa tendência de associar o pensamento à análise pura e simples e inaugura o neo-racionalismo. A
nova doutrina aceita as formas a priori da razão, afirmando, entretanto, que elas necessariamente devem ser conjugadas aos dados da experiência para que possa haver
conhecimento. O racionalismo dos séculos XVII e XVIII influencia a religião e a ética até hoje. Está presente nas várias seitas do protestantismo, que dispensam a autoridade e a
revelação religiosa em favor dos postulados lógicos e racionais sobre a existência de Deus. Influencia, também, a conduta moral que atribui à razão e aos princípios inatos de
bondade, entre outros, a capacidade humana de se bem conduzir.

Pré-Socráticos

Primeiros filósofos gregos, os pré-socráticos vivem entre o séculos VII a.C. e VI a.C. Ele recebem essa denominação por ter vivido antes de Sócrates, que desloca o foco da
reflexão filosófica da natureza para o homem e o mundo das idéias. A característica comum aos pré-socráticos é a preocupação com o mundo natural (physis, em grego), daí
serem também chamados de fisiólogos. Ao tentar explicar a natureza das coisas reduzindo sua multiplicidade a um único princípio, eles rompem com a forma de pensamento do
mundo antigo. Inauguram uma nova mentalidade baseada na razão e não mais no sobrenatural e na tradição mítica.

Tales de Mileto, Anaximandro (611 a.C.?-547 a.C.) e Anaxímenes (570 a.C.?-500 a.C.), da escola de Mileto, colônia grega na Ásia Menor, estão entre os primeiros
pré-socráticos. Para Tales, a água é a origem de todas as coisas. Anaximandro acha que a substância primeira é o infinito ou a matéria ilimitada, da qual provêm todos os seres
finitos e limitados. Já Anaxímenes acredita que é do ar que derivam todas as coisas, por causa de seu movimento duplo de rarefação e condensação.

Nascido em Éfeso, outra colônia grega, Heráclito (544 a.C.?-480 a.C.?) defende que as coisas se produzem a partir da estrutura contraditória e movediça do real e do logos (a
razão). Daí elas existirem em permanente contradição e fluência. A escola de Eléia opõe-se a essa tese e, com Parmênides (530 a.C.?-460 a.C.?) e outros filósofos, identifica a
existência de uma verdade imutável e um ser completo, uno e imóvel. Discípulo dessa escola, Empédocles (493 a.C.?-430 a.C.?) de Agrigento nomeia como substâncias
fundamentais os quatro elementos: a terra, a água, o ar e o fogo. Sua tese e a filosofia do atomismo, de Demócrito, da escola de Abdera, procuram conciliar a mobilidade e a
multiplicidade do ser, de Heráclito, com a idéia da unidade e imobilidade, de Parmênides. No lugar dos quatro elementos, Demócrito acredita que a realidade é composta de
átomos e do vazio. O eterno movimento entre eles e suas diferentes combinações explicam a formação dos diversos mundos. Ao apontar como verdadeira substância do mundo
algo imaterial, como a alma imortal e as essências eternas, que constituem o mundo da harmonia e dos números, Pitágoras (582 a.C.?-500 a.C.?) encerra essa fase,
tornando-se o primeiro pensador do século VI a antecipar o mundo platônico das idéias.

Positivismo

Corrente de pensamento formulada na França por Auguste Comte (1798-1857). O termo identifica a filosofia que busca seus fundamentos na ciência e na organização técnica e
industrial da sociedade moderna. O método científico é o único válido para se chegar ao conhecimento. Reflexões ou juízos que não podem ser comprovados pelo método
científico, como os postulados da metafísica, não levam ao conhecimento e não têm valor.

Entre suas formulações principais, está a que considera que as sociedades humanas passam por três estágios de evolução histórica. O primeiro é o teológico, no qual os
fenômenos são apresentados como sendo produzidos pela ação de seres sobrenaturais que interferem arbitrariamente no mundo. O segundo é o metafísico, no qual os
fenômenos são engendrados por forças abstratas. O último estágio é o positivo, em que o ser humano desiste de procurar as causas íntimas dos fenômenos para, através da
observação e do método científico, estabelecer as leis gerais que os regem. O estado positivo, portanto, corresponde à maturidade do espírito humano que não é mais enganado
por explicações vagas, uma vez que pode alcançar o real, o certo e o preciso.